Novos Procedimentos nos Processos de Permanência Definitiva

O procedimento de permanência definitiva no Brasil sofreu significativa mudança, tornando todo o processo mais célere e um pouco menos burocrático.

O site da Polícia Federal, na parte referente aos estrangeiros, informa que os novos procedimentos nos processos de permanência definitiva passaram a ser aplicados, a partir do fim de 2014, nas modalidades de reunião familiar, prole, casamento, união estável e transformação de registro temporário em permanente do acordo Mercosul.

Os requerimentos nos procedimentos acima listados passaram a ser efetuados em apenas uma etapa, com preenchimento do formulário 154, disponível na página da PF, coleta dos dados biométricos e biográficos e apresentação do recolhimento de taxas e demais documentos listados no anexo da Portaria nº 1.351/2014 – MJ;

Caso a documentação apresentada esteja em conformidade com a listagem contida no anexo da mencionada portaria, o estrangeiro será incluído no SINCRE – Sistema Nacional de Cadastro e Registro de Estrangeiros – e o processo será encaminhado para a Divisão de Cadastro e Registro de Estrangeiros – DICRE/CGPI/DIREX/DPF, visando à confecção da Cédula de Identidade de Estrangeiro – CIE.

Caso a documentação esteja divergente ou incompleta, o estrangeiro será notificado no momento do atendimento com prazo de 10 (dez) dias para retificação ou complementação do processo;

Nos casos em que não seja possível avaliar os documentos durante o primeiro atendimento, a Polícia Federal notificará o estrangeiro em até 30 (trinta) dias para retificação ou complementação do processo, dando-lhe prazo de 10 (dez) dias contados do recebimento da notificação para saneamento;

Caso a retificação ou complementação sejam suficientes para atender à listagem elencada no anexo da Portaria do Ministério da Justiça, a Polícia Federal registrará o estrangeiro e encaminhará o processo para a DICRE visando à confecção da CIE;

Caso o estrangeiro não se manifeste ou a documentação apresentada não esteja em conformidade com o anexo, a Polícia Federal encaminhará o processo à Divisão de Permanência do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça (DPE/DEEST/SNJ/MJ) para decisão.

O estrangeiro deverá retornar a Polícia Federal em até 60 (sessenta) dias para receber a CIE ou conhecer sobre o andamento do processo, caso não seja notificado para comparecer em prazo menor.

As notificações aos estrangeiros serão realizadas pessoalmente, por carta com aviso de recebimento, meio eletrônico ou por qualquer outro meio admitido pela legislação, nos termos do artigo 8º do Decreto 6.932/2009.

Informação sobre isenção de taxas:

DECRETO Nº 6.771, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009: Prevê que os cidadãos dos países membros da CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, organização internacional formada por AngolaBrasilCabo VerdeGuiné-BissauGuiné EquatorialMoçambiquePortugalSão Tomé e Príncipe e Timor-Leste, estão isentos do pagamento de taxas e emolumentos devidos na emissão e renovação de autorizações de residência, com exceção dos custos de emissão de documentos. Isso significa que não há necessidade do pagamento de taxa de pedidos de prorrogação de prazo de estada, permanência ou registro de estrangeiro, sendo devido somente o pagamento de taxa de emissão de carteira de estrangeiro, quando aplicável.”

Segue abaixo a lista de documentos para pedido de permanência de acordo com anexo da Portaria MJ 1351/2014:

____________________

– Com base em CASAMENTO:

Requerimento próprio, disponível no site da PF;

Duas (02) fotos tamanho 3×4, recentes, coloridas, com fundo branco.

Cópia autenticada, nítida e completa do passaporte ou do documento de viagem equivalente;

Cópia autenticada da certidão de casamento;

Cópia autenticada da cédula de identidade brasileira do cônjuge;

Declaração de que não se encontram separados de fato ou de direito, assinada pelo casal, com firmas reconhecidas;

Declaração de que não foi processado ou condenado criminalmente no Brasil e nem no exterior, quando não for casado há pelo menos 5 anos;

Comprovante do pagamento das taxas:

CÓDIGO: 140066 – Pedido de Permanência
CÓDIGO: 140082 – Registro de Estrangeiros/Restabelecimento de Registro
CÓDIGO: 140120 – Carteira de Estrangeiro Primeira via

Obs.: Os documentos emitidos no exterior deverão estar legalizados por repartição consular brasileira ou autoridade competente e traduzidos por tradutor juramentado no Brasil.

____________________

– Com base em UNIÃO ESTÁVEL:

Requerimento próprio, disponível no site da PF;

Duas (02) fotos tamanho 3×4, recentes, coloridas, com fundo branco.

Cópia autenticada, nítida e completa do passaporte ou do documento de viagem equivalente;

Atestado de antecedentes criminais expedido pelo país de origem, legalizado junto à repartição consular brasileira no país em que foi expedido, e traduzido por tradutor público juramentado no Brasil ou do país de residência habitual do chamado;

Documento hábil que comprove a existência de união estável, como:

  • Atestado de união estável emitido por autoridade competente do país de procedência do chamado;
  • Comprovação de união estável emitida por juízo competente no Brasil ou autoridade correspondente no exterior;
  •  Apresentação de certidão ou documento similar emitido por autoridade de registro civil nacional, ou equivalente estrangeiro;

Na ausência dos documentos acima citados, a comprovação da união estável poderá ser feita mediante apresentação dos seguintes documentos:

  • Declaração, sob as penas da lei, de duas pessoas que atestem a existência da união estável e, no mínimo, dois dos seguintes documentos:
  • Comprovação de dependência emitida por autoridade fiscal ou órgão correspondente à Receita Federal;
  • Certidão de casamento religioso (será exigido o tempo mínimo de um ano para comprovação);
  • Disposições testamentárias que comprovem o vínculo (será exigido o tempo mínimo de um ano para comprovação);
  • Apólice de seguro de vida na qual conste um dos interessados como instituidor do seguro e o outro como beneficiário (será exigido o tempo mínimo de um ano para comprovação);
  • Escritura de compra e venda, registrada no Registro de Propriedade de Imóveis, em que constem os interessados como proprietários, ou contrato de locação de imóvel em que figurem como locatários (será exigido o tempo mínimo de um ano para comprovação);
  • Conta bancária conjunta (será exigido o tempo mínimo de um ano para comprovação),
  • Certidão de nascimento de filho estrangeiro do casal.
  • Prova de meio de vida e de capacidade financeira do chamante para sustentar o chamado;
  • Declaração de compromisso de manutenção, subsistência e saída do território nacional, em favor do chamado, enquanto este permanecer no Brasil, com firma reconhecida em cartório ou repartição consular de carreira;
  • Declaração do chamado de que não foi processado ou condenado criminalmente no Brasil e nem no exterior, com firma reconhecida;
  • Declaração, sob as penas da lei, do estado civil do chamado no país de origem;
  • Cópia autenticada do documento de identidade do chamante (carteira de identidade brasileira ou cédula de identidade de estrangeiro);

Comprovante do pagamento das taxas:

CÓDIGO: 140066 – Pedido de Permanência
CÓDIGO: 140082 – Registro de Estrangeiros/Restabelecimento de Registro
CÓDIGO: 140120 – Carteira de Estrangeiro Primeira via

Obs.: Os documentos emitidos no exterior deverão estar legalizados por repartição consular brasileira e traduzidos por tradutor juramentado no Brasil.

____________________

– Com base em REUNIÃO FAMILIAR:

Requerimento próprio, disponível no site da PF;

Duas (02) fotos tamanho 3×4, recentes, coloridas, com fundo branco.

Cópia autenticada, nítida e completa do passaporte ou do documento de viagem equivalente;

Atestado de antecedentes criminais expedido no país de origem, legalizado junto à repartição consular brasileira no país em que foi expedido, e traduzido por tradutor público juramentado no Brasil, ou expedido por seção consular no Brasil;

Prova do grau de parentesco entre o chamante e o chamado, através de cópia autenticada da certidão de nascimento ou casamento, ou documento hábil que comprove ser o chamante responsável pelo chamado;

Justificativa do chamante para a formulação do pedido;

Cópia autenticada do documento de identidade do chamante (carteira de identidade brasileira ou cédula de identidade de estrangeiro);

Declaração de compromisso de manutenção, subsistência e saída do território nacional, em favor do chamado, enquanto este permanecer no Brasil, com firma reconhecida;

Prova de meio de vida e de capacidade financeira do chamante para sustentar o chamado;

Declaração do chamado de que não foi processado ou condenado criminalmente no Brasil e nem no exterior, com firma reconhecida;

Comprovante do pagamento das taxas:

CÓDIGO: 140066 – Pedido de Permanência
CÓDIGO: 140082 – Registro de Estrangeiros/Restabelecimento de Registro
CÓDIGO: 140120 – Carteira de Estrangeiro Primeira via

Obs.: Os documentos emitidos no exterior deverão estar legalizados por repartição consular brasileira e traduzidos por tradutor juramentado no Brasil.

____________________

– Com base em PROLE BRASILEIRA:

Requerimento próprio, disponível no site da PF;

Duas (02) fotos tamanho 3×4, recentes, coloridas, com fundo branco.

Cópia autenticada, nítida e completa do passaporte ou do documento de viagem equivalente;

Cópia autenticada da carteira de identidade do outro genitor do filho brasileiro;

Cópia autenticada da certidão de nascimento da prole;

Declaração de que a prole vive sob sua guarda e dependência econômica, com firma reconhecida;

Cópia autenticada da sentença transitada em julgado da ação de alimentos combinada com regulamentação de visitas, caso o estrangeiro não possua a guarda do menor;

Comprovante do pagamento das taxas:

CÓDIGO: 140066 – Pedido de Permanência
CÓDIGO: 140082 – Registro de Estrangeiros/Restabelecimento de Registro
CÓDIGO: 140120 – Carteira de Estrangeiro Primeira via

Obs.: Os documentos emitidos no exterior deverão estar legalizados por repartição consular brasileira e traduzidos por tradutor juramentado no Brasil.

____________________

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Vale a Pena para um Estrangeiro Morar no Brasil?

Depende. Depende da disposição, da situação financeira e de uma série de outros fatores não menos importantes, tudo deve ser levado em consideração, até mesmo as pequenas coisas, como o clima, por exemplo. Há que se ponderar muito antes de tomar uma decisão, estudar muito as possibilidades e ser extremamente realista com a situação. Às vezes, morar no Brasil pode não ser a solução ideal nem a mais inteligente para muitos casais gringo-brasileiros por inúmeros fatores, mas ainda que tudo aponte para não morar aqui, tem gente que insiste.

O grande problema é que muita gente idealiza as coisas demais e é lógico que é muito pouco provável que as coisas se ajustem aos seus desejos, é você quem terá de ajustar seus desejos às situações. Eu acho que uma das primeiras coisas a se refletir é sobre um prazo razoável e realista até que se atinja um estágio de adaptação relativa no Brasil, o que inclui livrar-se de todas as burocracias, ter boa desenvoltura no idioma e conquistar a primeira oportunidade de emprego no país. Não dá para estipular menos de um ano para tudo isso, ainda que haja um ambiente altamente propício em algumas situações, mas a possibilidade de que tudo se resolva rápido é mínima. Minha estimativa máxima, em nosso caso, era três anos, um pouco exagerado, já meu marido imaginou que tudo se arranjaria em 6 meses. Nenhum de nós acertou, mas meu marido com certeza exagerou em seu otimismo inicial. São muitos os casos de estrangeiros que ficam patinando por anos aqui até que tudo se ajeite, então é uma realidade da qual não se tem como fugir, especialmente se o português for ruim.

É por isso que muita gente me pergunta por que eu e meu marido escolhemos morar no Brasil, mesmo sabendo sobre as inúmeras dificuldades envolvidas em diversos aspectos e que dificultam estabelecer-se decentemente aqui. Primeira coisa, a dificuldade para mim era muita clara, já meu marido não tinha muita noção sobre isso. De qualquer modo, tanto eu quanto ele estávamos dispostos a pagar para ver e a razão principal de termos optado por morar no Brasil se resume em uma única palavra: JUVENTUDE. Se não fosse agora, que somos jovens, então quando? Quando meu marido conquistasse estabilidade financeira lá no país dele? Quando eu já estivesse completamente inserida e adaptada à sua cultura? Quando eu também tivesse me arranjado profissionalmente lá? Quando os filhos viessem? Quando ficássemos mais velhos, preguiçosos e exigentes? Quando o comodismo se instalasse? Aquela era a hora para nós e eu nem pensei muito nos contras, porque eu tinha a juventude ali para me salvar e amparar. Eu só conseguia pensar em uma coisa, uma vez que o visto permanente de meu marido estivesse garantido, então teríamos toda a liberdade do mundo para tentarmos todas as possibilidades possíveis, já que uma das hipóteses para perda de permanência é ficar ausente do Brasil por mais de dois anos consecutivos.

De qualquer forma, para mim, qualquer opção escolhida estaria bom, tanto eu poderia morar no país do marido como poderia morar aqui e também não descartamos voltar para lá um dia, ainda que isso seja pouco provável. O desespero para morar no Brasil também não existia, tanto é que nos fixamos aqui quase dois anos depois de casados, ou seja, tivemos tempo suficiente para avaliar se a mudança valeria a pena. Concluímos que valeria, ainda que houvesse alguns riscos envolvidos.

Supondo que tudo desse errado, ainda assim sairíamos no lucro: um visto permanente para poder voltar a morar aqui quando desse vontade, uma nova língua para o currículo do marido e, claro, uma grande experiência cultural. Um casal já vivendo um outro momento na vida não veria tal situação com tanto otimismo quanto nós. Tenho um exemplo. Certa vez, fui fazer uma visita de rotina à minha médica e ela comentou que tinha outras duas pacientes também casadas com estrangeiros. Interessei-me sobre o assunto e comecei a especular. Logo descobri que os dois casais estavam vivendo uma intensa frustração. Já não eram tão jovens, deixaram não só seus empregos para trás, mas também a estabilidade financeira e social achando que as coisas no Brasil seriam como no paraíso. Na prática, eles estavam enfrentando dificuldades para entrar no mercado de trabalho e também estavam se lamentando muito por terem jogado tudo para o alto para viver com suas esposas aqui.

É nessas horas que eu fico me perguntando, será que as pessoas pesquisam e tentam se informar antes de vir de mala e cuia para o Brasil? Será que têm a mínima noção de todos os processos burocráticos envolvidos e de todas as dificuldades que existem ou simplesmente pensam que, por se tratar do país do carnaval, tudo é uma festa? Eu não sei, mas às vezes me parece que é exatamente isso. Tudo que escrevo aqui no blog é fruto de mais de 5 anos de muita pesquisa, muita procura por informações, isso tudo antes mesmo de meu marido se mudar, será que as outras pessoas também fazem isso? Será que se preparam economicamente para as vacas magras antes de vir? Fazem uma pesquisa do mercado de trabalho em sua área de atuação? Estudam português? Pensam em soluções alternativas caso algo saia errado? Sempre há uma saída para tudo, mas dificilmente uma pessoa madura irá querer arriscar passar mais de ano vendo nada de concreto acontecendo, apostando em um futuro sem garantia nenhuma, apesar de ser promissor, sim, para quem luta por isso. Mas até lá, o que fazer com as contas? Como botar comida na mesa? Seu companheiro(a) brasileiro conseguiria, sozinho, dar conta de tudo, sustentando a família durante o tempo em que vocês estarão lutando pela estabilidade?

Tudo isso são pontinhos muito sensíveis a se ponderar. Eu e meu marido não tínhamos nada mesmo a perder, estávamos, praticamente, começando a vida juntos e felizmente sempre tivemos muito apoio. Dinheiro também não foi um grande problema, apesar de ser um pouco curto para o sustento de dois, então é claro que tivemos alguma dificuldade, pois tudo no Brasil é muito caro, mas pagamos todas as nossas contas. Investimos um dinheiro considerável nos cursos de aperfeiçoamento que meu marido fez e passamos alguns meses apertados por causa disso, mas também não tínhamos maiores preocupações, como filhos, por exemplo, então não precisamos ficar fundindo a cuca e fazendo mágica com nossa verba mensal. Eu sinceramente acho que a falta de dinheiro é uma das piores inimigas do casal gringo-brasileiro, o relacionamento simplesmente não acontece, não se realiza.

O que eu quero dizer é que, mesmo se as coisas demorassem um pouco para se ajeitar para a gente, como de fato demorou, não sofreríamos maiores efeitos colaterais. Meu marido estava ficando preocupado com sua carreira, pois ele achava que um tempo considerável sem emprego seria péssimo para seu histórico profissional. Já eu não partilhava da mesma ideia, afinal, ele não estava simplesmente coçando sem fazer nada, mas estava aprendendo uma língua nova, fazendo cursos direcionados à sua carreira e isso, hoje em dia, é motivo de muita valorização do profissional no mercado de trabalho.

É lógico que sempre há a possibilidade de algo sair errado no emprego e ele ser dispensado, como de fato aconteceu, conforme contei aqui, mas a opção de voltarmos para o país dele sempre estará lá, nos dando um pouco de conforto. E se não quisermos voltar para lá, já conhecemos muito bem o caminho para conquistar um emprego, por mais demorado e cheio de pedras que seja.

Penso, então, que em nosso caso valeu a pena, sim. Meu marido está muito melhor profissionalmente aqui e nossa vida pessoal também se beneficiou dessa escolha em muitos aspectos. Não acho que eu teria maiores dificuldades para me adaptar plenamente ao país de meu marido, mas é inegável que aqui é muito melhor para mim. Em termos de adaptação cultural, meu marido gosta do Brasil, não tem queixas sérias sobre o país, apenas em poucos aspectos ele se mostrou resistente, como em relação a comida e ao idioma, muito por causa de sua preguiça extrema de estudar português. Mas o que ele me infernizou de verdade foi por causa de emprego, foram muitas e muitas as vezes em que ele extrapolou sua cota chiliquenta, acho até que mereço um prêmio por tê-lo aguentado nesses momentos. Mas, como qualquer casal normal, nos desentendemos por vários outros motivos que em nada têm a ver com nossa nova vida no Brasil, muito menos com o fato de sermos dois estrangeiros se relacionando, são coisas corriqueiras, como acontece com qualquer casal “normal”.

O que quer que tenhamos conquistado até agora, foi fruto de um esforço muito maior meu (em termos operacionais) e meu marido sempre teve a humildade de reconhecer isso, sem nenhum rodeio, para todo mundo, não importa quem. Isso não quer dizer que ele é aproveitador ou que não ajudou nem fez nada, foi simplesmente o modo como nos arranjamos para fazer as coisas acontecerem. De todo modo, não me incomoda o fato de ter feito mais do que ele na maior parte do tempo antes de ele começar a trabalhar aqui no Brasil, eu fiz o que tinha que ser feito e com o tempo essa equação tem se equilibrado muito bem. Quando trazemos nosso companheiro estrangeiro para cá, grande parte do sucesso dessa escolha de morar aqui recai em nossas costas, são muitas as responsabilidades. O mesmo aconteceria com seu companheiro se ele decidisse te levar para lá.

E se levar um pé na bunda depois de tudo isso? É a pergunta que atormenta a vida da maioria das pessoas que se relaciona com estrangeiros. É um risco que se corre. Se acontecer comigo, pela minha natureza, é claro que vou surtar e ficar com vontade de matar e esquartejar, eu sou meio possessiva e passional, mas terei a consciência tranquila de que fiz tudo que era possível, de minha parte, para ajudar a fazer a coisa dar certo. Nunca se esqueçam, basta estar vivo para correr perigo. E sempre há tempo para recomeçar.

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Declaração de Imposto de Renda de Estrangeiro no Brasil

Certa vez, um leitor do blog indagou-me sobre como é o processo de declaração de imposto de renda no Brasil sendo estrangeiro. Achei que seria interessante escrever sobre o assunto em forma de post, pois poderá ajudar a elucidar dúvidas de quem tem a mesma indagação. Parece algo complicado de se entender, mas não é. Para quem não entende ou não sabe nada sobre o assunto, a melhor coisa a fazer é pesquisar sobre isso no site da Receita Federal do Brasil.

O estrangeiro, em situação regular no país, seja aquele que vive permanentemente aqui, ou que esteja apenas a trabalho temporariamente, que tenha CPF (Cadastro de Pessoa Física) e renda no Brasil, deve ficar atento a esse tópico, ainda que seja um pouco confuso, pois é muito importante manter-se em um situação regular para evitar problemas relativos a isso. Antes de qualquer coisa, que tal consultar qual é a situação cadastral de seu CPF (Cadastro de Pessoa Física)?

Para fazer a consulta, na página inicial do sítio da Receita Federal, do lado direito da tela, está escrito SERVIÇOS EM DESTAQUE. Clique em Comprovante de Situação Cadastral no CPF. Onde estiver escrito “Formas de Atendimento”, clique em “Acesso direto ou com senha específica”, então é só informar o número de seu CPF, digitar os caracteres dispostos ao lado e consultar.

No que diz respeito aos requisitos para a declaração do imposto de renda, todo ano a Receita Federal atualiza essa informação em seu próprio site, por isso é muito importante recorrer diretamente ao site deles para se informar e sanar todas as dúvidas. Lá eles explicam o conceito de residente no Brasil para fins tributários, determinam quem são as pessoas que moram no país em caráter permanente, que são aqueles que ingressaram no país com visto permanente, temporário ou de trabalho, dentre outros. Esclarecem, também, a faixa de rendimento tributável que deve ser declarada.

Enquanto meu marido permaneceu desempregado e sem renda no Brasil, ele não precisou se preocupar com isso, pois estava isento de fazer a declaração. Mas, por via das dúvidas, fui conferir no site da Receita Federal, na parte de serviços, qual era sua situação cadastral, apenas para desencargo de consciência, e durante todo o período sua situação fora REGULAR.

A primeira declaração dele foi enviada no ano de 2014 e coincidiu com seu primeiro aniversário de emprego no Brasil. Desde então, todo ano precisamos declarar sua renda e sou sempre eu quem faz isso. A primeira coisa que você deve fazer é verificar se vocês se encaixam nos requisitos de obrigatoriedade da declaração, informação que, conforme já expliquei anteriormente, está disponível no site oficial da Receita. Em nosso caso, como somos pobres trabalhadores e não temos muitas coisas a declarar, consigo fazer a declaração com tranquilidade sem qualquer ajuda de um profissional. Caso vocês tenham muitos bens, muitas rendas, muitas empresas, muitas complicações, talvez seja melhor procurar alguém especializado para fazer isso. Não precisa ser alguém especializado em declaração de imposto de renda para estrangeiros no Brasil, que muito provavelmente cobram mais caro, uma empresa de contabilidade simples especializada nisso faz tudo de olhos praticamente fechados.

Não acho que haja maiores dificuldades de se fazer a declaração por conta própria, mesmo considerando os casos mais complexos. Se o declarante tiver todos os documentos necessários em mãos, é só não deixar para a última hora e procurar ir fazendo aos pouquinhos para fazer tudo certinho.

Para declarar, é preciso baixar o programa da declaração do site da Receita (há um passo a passo lá explicando), cuja navegação é bem intuitiva. Tive poucas dúvidas nas primeiras declarações, e as poucas que tive foram facilmente esclarecidas fazendo uma pesquisa simples na internet. Há, também, inúmeros sites que também detalham cada uma das etapas da declaração. Ademais, convém destacar que talvez para nós tenha sido tudo bem simples porque não temos nenhuma renda e/ou bens no exterior, situações que geram muitas dúvidas nos declarantes.

De maneira geral, não há nada diferente na declaração do imposto de renda de um estrangeiro morando no Brasil em relação à declaração de brasileiros residentes aqui, é tudo igual. Você só precisa preencher todas as rendas/bens que você percebeu/adquiriu no ano anterior. Faço a declaração do meu marido baseada em um documento chamado de “informes/declaração de rendimentos”, que é fornecido pela empresa em que ele trabalha, e também alguns outros documentos, como recibos, comprovante de bens, etc. Caso a pessoa possua uma empresa, o escritório contábil ou o departamento responsável por isso fornecerá os documentos necessários para fazer a declaração, caso se opte por fazer sem ajuda especializada.

Se não possui bens e nem recebeu nada de renda, não há nada a declarar. O único campo que nós não preenchemos na declaração de imposto de renda, pelo fato de meu marido não ser brasileiro, é aquele em que se pede o título eleitoral, que ele não tem (e provavelmente nunca terá).

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Site Gringoes e Expatriados

Como meu marido não tinha nenhuma atividade realmente relevante nos primeiros meses no Brasil, além de estudar português, ele acabou passando bastante tempo navegando na internet acompanhando notícias de seu país de origem e procurando relatos de estrangeiros que também estivessem na mesma situação em que ele estava, ou seja, morando no Brasil, pelo mesmo motivo ou não. Foi aí que ele achou o site Gringoes.

Esse site é, basicamente, um portal da comunidade estrangeira morando ou querendo morar no Brasil. É, também, destinado aos viajantes estrangeiros. De acordo com a descrição do próprio site, a experiência de morar ou viajar para um país no exterior pode ser muito angustiante, então o que o estrangeiro mais vai precisar é de informações. A FALTA DE INFORMAÇÃO pode resultar em uma situação realmente desagradável, choque cultural e ainda, em desconforto físico e, especialmente, desconforto mental. Informações sobre como encontrar um lugar para viver, colocar os filhos em uma boa escola, transporte público, compra de carro, abrir conta em banco, etc., são essenciais para uma mudança suave para um novo ambiente.

O site foi criado, então, para fornecer e ser fonte de informações para a crescente comunidade estrangeira no Brasil e a internet é, segundo eles, a forma ideal para esse propósito, porque é capaz de peneirar os guias desatualizados do passado. O enfoque é mais para a região de São Paulo, que é, ainda, o principal polo de imigração do país, mas os diversos tópicos de discussão objetivam tornar a estada no país a mais agradável possível e livre de problemas, ao mesmo tempo em que tenta não jogar água fria na empolgação de desbravar uma terra desconhecida. Ademais, o que eles desejam é prover mais do que informação, é criar uma COMUNIDADE VIRTUAL de estrangeiros no Brasil, onde eles possam compartilhar dicas, queixas, fazer amigos e organizar atividades. O site é gerido por uma pequena equipe de estrangeiros e brasileiros e eles dedicam muito tempo e esforço para atualizá-lo e melhorá-lo.

Em minha opinião, o fórum, onde os estrangeiros publicam tópicos de discussão sobre os mais variados assuntos, é a área mais interessante do site. E, como não poderia deixar de ser, os assuntos mais discutidos são procura por emprego, idioma, adaptação, cultura, educação e política. O grande problema, porém, é que há milhares de tópicos e ler tudo aquilo é quase impossível, além de cansativo. Mas se você quiser realmente se informar com profundidade, é uma boa fonte de informação, ainda que bastante parcial. Apenas se certifique de que o tópico que você criar não seja repetido, uma vez que talvez a resposta que você esteja procurando esteja em tópicos já discutidos anteriormente.

Eu e meu marido achamos o site interessante inicialmente, mas apesar de parecer ser um ambiente bem agradável e amigo, onde todos os gringos se unem para ajudar uns aos outros, não é bem assim que a coisa funciona, em especial se o tópico de discussão for sobre procura por emprego e a cultura brasileira, aí a coisa já não é tão friendly assim, infelizmente. Percebemos que quem consegue emprego e se dar bem no Brasil não tem nenhuma boa vontade de ajudar e dar dicas, e o que mais sabem fazer é debochar e ridicularizar os brasileiros, especialmente no grupo que eles mantêm no Facebook.

Claro que isso tudo é uma opinião muito pessoal minha e de meu marido (ele, na verdade, não está nem aí para a comunidade estrangeira), talvez quem já conheça o site e/ou o grupo possa pensar diferente. Eu não tive estômago para continuar acompanhando os posts e as discussões pelo nível de preconceito impregnado. Talvez até tenha sido por isso que eu criei esse espaço, pensando em ajudar brasileiros casados com esses estrangeiros (sim, porque muitos estão lá, reclamando também) de uma maneira digna e decente. Claro que há pessoas cheias de boa vontade e que não ridicularizam a gente, mas são poucas. De qualquer forma, acho que vale a pena, ao menos no início, perder um pouco de tempo explorando o site e o grupo do Facebook para tentar absorver as informações que possam ser úteis na prática, mas não acho que essa leitura substitua a pesquisa nos sites oficiais, por exemplo. Entretanto, por abranger um leque bastante amplo de assuntos, talvez a leitura e a participação em algumas discussões sejam frutíferas.

Quanto aos expatriados do mesmo país de meu marido, após fazer contato com uma porção deles que moram em nossa cidade, meu marido ficou extremamente decepcionado com a recepção, ou melhor, a não recepção deles. A maioria nem sequer respondeu às tentativas de contato que meu marido fez. As comunidades parecem ser muito fechadas, infelizmente, e sem vontade de se misturar. Eu, sinceramente, não entendo o motivo e particularmente achei meio infantil, porque panelinha é coisa de criança. Pode ser que futuramente minha impressão mude, mas acho difícil. De qualquer forma, é bom para o estrangeiro que se mantenha um pouco distante da comunidade de expatriados de seu país, pelo menos por um tempo, e especialmente no início, pois as chances de adaptação ao estilo de vida dos brasileiros vai aumentar muito, só se tem a ganhar. Será possível aprender o idioma mais rápido, habituar-se melhor aos costumes, fazer mais contatos. Mais tarde, quando já estiver relativamente adaptado ao estilo de vida local, aí não haverá maiores problemas em querer se enturmar com os expatriados, mas nos primeiros meses, eu sinceramente não aconselho, pois é o momento de absorver a nossa cultura e não ficar vivendo de nostalgia. Se não consegue viver essa nova realidade, é porque certamente não está preparado para estar aqui.

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!