Vale a Pena para um Estrangeiro Morar no Brasil?

Depende. Depende da disposição, da situação financeira e de uma série de outros fatores não menos importantes, tudo deve ser levado em consideração, até mesmo as pequenas coisas, como o clima, por exemplo. Há que se ponderar muito antes de tomar uma decisão, estudar muito as possibilidades e ser extremamente realista com a situação. Às vezes, morar no Brasil pode não ser a solução ideal nem a mais inteligente para muitos casais gringo-brasileiros por inúmeros fatores, mas ainda que tudo aponte para não morar aqui, tem gente que insiste.

O grande problema é que muita gente idealiza as coisas demais e é lógico que é muito pouco provável que as coisas se ajustem aos seus desejos, é você quem terá de ajustar seus desejos às situações. Eu acho que uma das primeiras coisas a se refletir é sobre um prazo razoável e realista até que se atinja um estágio de adaptação relativa no Brasil, o que inclui livrar-se de todas as burocracias, ter boa desenvoltura no idioma e conquistar a primeira oportunidade de emprego no país. Não dá para estipular menos de um ano para tudo isso, ainda que haja um ambiente altamente propício em algumas situações, mas a possibilidade de que tudo se resolva rápido é mínima. Minha estimativa máxima, em nosso caso, era três anos, um pouco exagerado, já meu marido imaginou que tudo se arranjaria em 6 meses. Nenhum de nós acertou, mas meu marido com certeza exagerou em seu otimismo inicial. São muitos os casos de estrangeiros que ficam patinando por anos aqui até que tudo se ajeite, então é uma realidade da qual não se tem como fugir, especialmente se o português for ruim.

É por isso que muita gente me pergunta por que eu e meu marido escolhemos morar no Brasil, mesmo sabendo sobre as inúmeras dificuldades envolvidas em diversos aspectos e que dificultam estabelecer-se decentemente aqui. Primeira coisa, a dificuldade para mim era muita clara, já meu marido não tinha muita noção sobre isso. De qualquer modo, tanto eu quanto ele estávamos dispostos a pagar para ver e a razão principal de termos optado por morar no Brasil se resume em uma única palavra: JUVENTUDE. Se não fosse agora, que somos jovens, então quando? Quando meu marido conquistasse estabilidade financeira lá no país dele? Quando eu já estivesse completamente inserida e adaptada à sua cultura? Quando eu também tivesse me arranjado profissionalmente lá? Quando os filhos viessem? Quando ficássemos mais velhos, preguiçosos e exigentes? Quando o comodismo se instalasse? Aquela era a hora para nós e eu nem pensei muito nos contras, porque eu tinha a juventude ali para me salvar e amparar. Eu só conseguia pensar em uma coisa, uma vez que o visto permanente de meu marido estivesse garantido, então teríamos toda a liberdade do mundo para tentarmos todas as possibilidades possíveis, já que uma das hipóteses para perda de permanência é ficar ausente do Brasil por mais de dois anos consecutivos.

De qualquer forma, para mim, qualquer opção escolhida estaria bom, tanto eu poderia morar no país do marido como poderia morar aqui e também não descartamos voltar para lá um dia, ainda que isso seja pouco provável. O desespero para morar no Brasil também não existia, tanto é que nos fixamos aqui quase dois anos depois de casados, ou seja, tivemos tempo suficiente para avaliar se a mudança valeria a pena. Concluímos que valeria, ainda que houvesse alguns riscos envolvidos.

Supondo que tudo desse errado, ainda assim sairíamos no lucro: um visto permanente para poder voltar a morar aqui quando desse vontade, uma nova língua para o currículo do marido e, claro, uma grande experiência cultural. Um casal já vivendo um outro momento na vida não veria tal situação com tanto otimismo quanto nós. Tenho um exemplo. Certa vez, fui fazer uma visita de rotina à minha médica e ela comentou que tinha outras duas pacientes também casadas com estrangeiros. Interessei-me sobre o assunto e comecei a especular. Logo descobri que os dois casais estavam vivendo uma intensa frustração. Já não eram tão jovens, deixaram não só seus empregos para trás, mas também a estabilidade financeira e social achando que as coisas no Brasil seriam como no paraíso. Na prática, eles estavam enfrentando dificuldades para entrar no mercado de trabalho e também estavam se lamentando muito por terem jogado tudo para o alto para viver com suas esposas aqui.

É nessas horas que eu fico me perguntando, será que as pessoas pesquisam e tentam se informar antes de vir de mala e cuia para o Brasil? Será que têm a mínima noção de todos os processos burocráticos envolvidos e de todas as dificuldades que existem ou simplesmente pensam que, por se tratar do país do carnaval, tudo é uma festa? Eu não sei, mas às vezes me parece que é exatamente isso. Tudo que escrevo aqui no blog é fruto de mais de 5 anos de muita pesquisa, muita procura por informações, isso tudo antes mesmo de meu marido se mudar, será que as outras pessoas também fazem isso? Será que se preparam economicamente para as vacas magras antes de vir? Fazem uma pesquisa do mercado de trabalho em sua área de atuação? Estudam português? Pensam em soluções alternativas caso algo saia errado? Sempre há uma saída para tudo, mas dificilmente uma pessoa madura irá querer arriscar passar mais de ano vendo nada de concreto acontecendo, apostando em um futuro sem garantia nenhuma, apesar de ser promissor, sim, para quem luta por isso. Mas até lá, o que fazer com as contas? Como botar comida na mesa? Seu companheiro(a) brasileiro conseguiria, sozinho, dar conta de tudo, sustentando a família durante o tempo em que vocês estarão lutando pela estabilidade?

Tudo isso são pontinhos muito sensíveis a se ponderar. Eu e meu marido não tínhamos nada mesmo a perder, estávamos, praticamente, começando a vida juntos e felizmente sempre tivemos muito apoio. Dinheiro também não foi um grande problema, apesar de ser um pouco curto para o sustento de dois, então é claro que tivemos alguma dificuldade, pois tudo no Brasil é muito caro, mas pagamos todas as nossas contas. Investimos um dinheiro considerável nos cursos de aperfeiçoamento que meu marido fez e passamos alguns meses apertados por causa disso, mas também não tínhamos maiores preocupações, como filhos, por exemplo, então não precisamos ficar fundindo a cuca e fazendo mágica com nossa verba mensal. Eu sinceramente acho que a falta de dinheiro é uma das piores inimigas do casal gringo-brasileiro, o relacionamento simplesmente não acontece, não se realiza.

O que eu quero dizer é que, mesmo se as coisas demorassem um pouco para se ajeitar para a gente, como de fato demorou, não sofreríamos maiores efeitos colaterais. Meu marido estava ficando preocupado com sua carreira, pois ele achava que um tempo considerável sem emprego seria péssimo para seu histórico profissional. Já eu não partilhava da mesma ideia, afinal, ele não estava simplesmente coçando sem fazer nada, mas estava aprendendo uma língua nova, fazendo cursos direcionados à sua carreira e isso, hoje em dia, é motivo de muita valorização do profissional no mercado de trabalho.

É lógico que sempre há a possibilidade de algo sair errado no emprego e ele ser dispensado, como de fato aconteceu, conforme contei aqui, mas a opção de voltarmos para o país dele sempre estará lá, nos dando um pouco de conforto. E se não quisermos voltar para lá, já conhecemos muito bem o caminho para conquistar um emprego, por mais demorado e cheio de pedras que seja.

Penso, então, que em nosso caso valeu a pena, sim. Meu marido está muito melhor profissionalmente aqui e nossa vida pessoal também se beneficiou dessa escolha em muitos aspectos. Não acho que eu teria maiores dificuldades para me adaptar plenamente ao país de meu marido, mas é inegável que aqui é muito melhor para mim. Em termos de adaptação cultural, meu marido gosta do Brasil, não tem queixas sérias sobre o país, apenas em poucos aspectos ele se mostrou resistente, como em relação a comida e ao idioma, muito por causa de sua preguiça extrema de estudar português. Mas o que ele me infernizou de verdade foi por causa de emprego, foram muitas e muitas as vezes em que ele extrapolou sua cota chiliquenta, acho até que mereço um prêmio por tê-lo aguentado nesses momentos. Mas, como qualquer casal normal, nos desentendemos por vários outros motivos que em nada têm a ver com nossa nova vida no Brasil, muito menos com o fato de sermos dois estrangeiros se relacionando, são coisas corriqueiras, como acontece com qualquer casal “normal”.

O que quer que tenhamos conquistado até agora, foi fruto de um esforço muito maior meu (em termos operacionais) e meu marido sempre teve a humildade de reconhecer isso, sem nenhum rodeio, para todo mundo, não importa quem. Isso não quer dizer que ele é aproveitador ou que não ajudou nem fez nada, foi simplesmente o modo como nos arranjamos para fazer as coisas acontecerem. De todo modo, não me incomoda o fato de ter feito mais do que ele na maior parte do tempo antes de ele começar a trabalhar aqui no Brasil, eu fiz o que tinha que ser feito e com o tempo essa equação tem se equilibrado muito bem. Quando trazemos nosso companheiro estrangeiro para cá, grande parte do sucesso dessa escolha de morar aqui recai em nossas costas, são muitas as responsabilidades. O mesmo aconteceria com seu companheiro se ele decidisse te levar para lá.

E se levar um pé na bunda depois de tudo isso? É a pergunta que atormenta a vida da maioria das pessoas que se relaciona com estrangeiros. É um risco que se corre. Se acontecer comigo, pela minha natureza, é claro que vou surtar e ficar com vontade de matar e esquartejar, eu sou meio possessiva e passional, mas terei a consciência tranquila de que fiz tudo que era possível, de minha parte, para ajudar a fazer a coisa dar certo. Nunca se esqueçam, basta estar vivo para correr perigo. E sempre há tempo para recomeçar.

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Autor: manualquasepratico

Brasileira, casada com um estrangeiro, atualmente vivendo e blogando no Brasil.

2 comentários em “Vale a Pena para um Estrangeiro Morar no Brasil?”

  1. excelente post… o problema é que a gente sabe mto bem o que é um marido cooperativo com vontade de ter uma vida legal aqui, compartilhar e crescer junto da sua esposa. Os que casam por interesses geralmente são burros demais para conseguir algo decente, ficam encostados na mulher e isso a gente vê de longe, mas infelizmente muitas ficam cega de amor de ficam bancando o rapaz até dizer chega… Risco sempre há, mas um cara inteligente e com condições de se dar bem aqui raramente se casou apenas por interesse 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s