Estudo como Solução Alternativa para o Desemprego de Estrangeiro no Brasil

Certa vez, quando ainda estávamos na luta pela primeira oportunidade de emprego para meu marido estrangeiro aqui no Brasil, começamos a pensar em soluções alternativas, uma vez que, àquela altura, ainda não tínhamos uma visão muito clara sobre o que aconteceria no futuro. Podia ser que as coisas se ajustassem e dessem certo logo, tanto quanto poderiam se estender indeterminadamente e meu marido acabasse fazendo aniversário de desemprego por um bom tempo.

Como nem eu, muito menos ele, queríamos celebrar esse tipo de “bodas”, começamos a estudar outras possibilidades. O fato era, não havia emprego em mãos, continuaríamos procurando até encontrar, mas só procurar emprego não nos parecia suficiente, o que mais poderia ser feito, então? Ele já tinha feito dois cursos de aperfeiçoamento, como já comentei aqui, então nosso primeiro pensamento foi investir mais dinheiro em mais desses cursos. Um dia, enquanto procurava cursos com meu marido, ocorreu-me que, ao invés de ficar fazendo mil cursinhos de aprimoramento, ele deveria tentar dar um passo maior e voltar à universidade.

A lógica por trás foi a seguinte: um estrangeiro, permanente no Brasil, pode até não conseguir um emprego, mas já que estava aqui mesmo, então que utilizasse sua permanência da melhor forma possível. Como? Estudando. Tanta gente querendo ir para o exterior para estudar, crescer e fazer alguma coisa de realmente relevante, já que meu marido estava aqui, então que fizesse algo útil, especialmente considerando-se uma situação hipotética em que tudo desse errado e tivéssemos que retornar ao país de meu marido. Caso perguntassem lá no país dele “o que você ficou fazendo no exterior por mais de 2 anos?“, a resposta certamente não seria “estava esperando um emprego cair do céu, não deu para mim“, mas sim “estava estudando, investindo em meu futuro e em minha carreira“.

Meu marido e eu conversamos e ele também estava com a mesma ideia na cabeça. Concluímos que, apesar de ser um passo grande, ele estava preparado para isso, pois já tinha uma ideia clara sobre qual área seguir. Ademais, seu português já estava bom o suficiente para dar conta do recado. Então, naquele mesmo mês, começamos a procurar cursos de especialização e mestrado nos sites das melhores universidades, tanto federal/estadual quanto particular. Acabamos descartando o mestrado, pois estudos stricto sensu são muito mais maçantes e específicos e meu marido achou que não era sua hora ainda. Na verdade, ele não pensa em fazer mestrado tão cedo, então só sobrou a especialização, mesmo, como opção. Com isso, nos focamos no tipo de curso que ele queria, o qual achamos em duas universidades, ambas particulares, de excelente reputação e muito tradicionais. Infelizmente, a universidade federal de meu estado não oferta curso de especialização na área em que ele queria, então escolhemos a particular mesmo.

Quando as inscrições foram abertas, fizemos tudo pelo site, sem nenhum problema. Claro que antes de pagar a inscrição, informei-me sobre o procedimento para estrangeiro. Tudo normal, a secretária apenas perguntou se o visto dele era de estudante, pois o procedimento seria diferente, mas não era o caso. Como ele é permanente, ela só perguntou se ele tinha CPF, RG e diploma de graduação com os selos da embaixada e tradução juramentada para o português. Tinha. Então estava tudo certo, era só aguardar a confirmação do curso. Com o curso confirmado, lá foi meu marido para a especialização. Até então, ele não sabia que já tinha conseguido emprego, mas mesmo assim ele estava super feliz e empolgado, acho que nem ele pensou que faria uma pós-graduação tão logo.

Como eu não confio em português de gringo, fiquei ressabiada. Logo que começaram as aulas, comecei a perguntar se os professores já haviam passado alguma atividade, ao que ele me disse que estava tudo bem. Não me convenci, algo me dizia que estava tudo muito bem para ser verdade. Até que um dia descobri que ele nem havia acessado a página das disciplinas do curso na intranet. Quase tive um treco. Na verdade, havia um problema com sua senha de acesso. Depois de resolvido, quando acessei o sistema, vi que havia algumas atividades que ele nem sabia que tinha que fazer e com prazo de entrega vencido! Até ele se assustou, tadinho, fiquei com dó, pois ele entendeu que tinha que preparar apenas um seminário, quando na verdade já tinha fichamentos e resenhas para entregar. Dei uma mão para ele e entregamos as atividades atrasadas. Claro que justificamos para a professora e ficou tudo bem, mas passamos um sufoco!

A questão central é, estudo é a solução para muitos problemas, sempre foi e sempre será o melhor investimento. Sei que não é barato e, antes mesmo da notícia do emprego, discutimos sobre como ajustaríamos a mensalidade da especialização às nossas contas, foi quando cogitamos que meu marido desse aulas de inglês. Não foi preciso, mas se fosse, seria assim que iríamos nos virar.

E se a pessoa não tem muito estudo, o que fazer? Complete os estudos aqui, oras, há milhares de opções! Uma vez que o português esteja bom o suficiente, o negócio é se jogar de cabeça. Sei que é difícil fazer um vestibular tradicional, pois tem de estudar história e geografia do Brasil, por exemplo, mas há cursos técnicos, faculdades com vestibular facilitado, há várias opções e para todos os bolsos, é só procurar. Estudando em um instituto ou faculdade no Brasil e que seja reconhecido pelo MEC, são muitas as possibilidades que se abrem, inclusive para fazer estágio. A pessoa só tem a ganhar, além de garantir que muitas outras portas se abram no futuro. Sem dúvida alguma é a melhor solução alternativa que alguém pode ter.

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Autor: manualquasepratico

Brasileira, casada com um estrangeiro, atualmente vivendo e blogando no Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s