Estrangeiros Lidando com a Frustração no Brasil

Antes de meu marido e eu nos estabelecermos em definitivo no Brasil, não vou dizer que vivíamos em uma bolha de perfeição, até porque enfrentamos alguns contratempos. Entretanto, estávamos envolvidos por uma atmosfera em que tudo, coincidentemente ou não, estava se encaixando perfeitamente. Tudo o que planejamos aconteceu de acordo com o esperado e deu tão certo que era até mesmo difícil de acreditar. Mas foi só meu marido pisar no Brasil que as coisas começaram a desandar. O ritmo ao qual estávamos acostumados, com tudo dando certo, não perdurou e as coisas deixaram de sair conforme o planejado.

Tínhamos essa sensação porque as questões burocráticas, como casar e tirar visto, por exemplo, passam a falsa sensação de controle. A equação, nesses casos, é muito simples, dê exatamente aquilo que é requerido e obtenha exatamente aquilo que é esperado, não tem segredo, basta seguir o passo a passo.

E daí que a parte de documentação é mesmo uma receita de bolo. Preencheu os requisitos? Ótimo, fim de papo, não tem muito o que pensar, adaptar ou improvisar. E quanto ao resto? O resto é receita a olho, aquela em que você vai combinando os ingredientes até achar o ponto certo. Às vezes vocês acerta, outras erra, mas a cada erro vai adaptando e improvisando para que tudo dê certo no fim, mesmo que o resultado não seja lá muito satisfatório. Assim é a adaptação de um estrangeiro no Brasil.

Não sou uma pessoa que se frustra facilmente. Claro que fico chateada e cansada mentalmente com situações pontuais, sim, mas tenho consciência de que certas coisas se desenvolvem em um processo lento até que tudo se estabilize. Já o marido não. Na cabeça dele, estaríamos navegando em águas calmas e cristalinas em uns seis meses, máximo um ano. Não sei o exato motivo porque ele fixou isso em sua cabeça, mas ele dizia que eu nunca o alertei de que seria tão demorado. Isso me chateou um pouco, porque eu disse isso a ele inúmeras vezes, tanto é assim que, mesmo quando eu morava com ele no exterior, sempre peguei no pé dele para que começasse a estudar português de verdade.

Uma pergunta que meu marido sempre me fazia era: quanto tempo para arranjar um emprego? Difícil responder. Então de tempos em tempos ele tinha alguns ataques por causa da frustração que tomava conta , era um trabalhão imenso exorcizá-lo. Ele pensou em desistir, quis ir embora, ficou deprimido, não quis falar, não quis comer, brigamos, quase nos estapeamos, já passamos por todas essas fases e não tenho vergonha nenhuma em admitir isso, pois são fases que, infelizmente, têm uma grande chance de acontecer. O bom é que, se você passar por todas elas, com certeza sairá mais fortalecido e mais realista em relação aos fatos, mas é duro, não é fácil velejar em mares revoltos, ainda que simplesmente façam parte.

O que faz a diferença é sua postura em relação a isso. Se eu fosse uma frustrada, chiliquenta, pavio curto, impaciente e incompreensiva, eu diria que meu casamento já teria ido para o espaço há muito tempo. Apesar de eu não gostar quando meu marido passava por uma grave crise de frustração – ficava triste mesmo – eu tentava compreender, pois acho mesmo que é justificável. Um estrangeiro, tentando se adaptar, procurando emprego e não achando, com dificuldade com a comida, lutando com o idioma, longe da família e amigos e que ainda não fez nenhuma amizade sólida, é a fórmula da bomba atômica pronta.

Muitas vezes, enquanto ele estava com mil dúvidas e frustrações, eu também começava a me questionar e pensar “o que estamos fazendo aqui?”, mas, como sempre, eram questionamentos passageiros, como uma nuvem que passa mais rápido do que chega. A questão é simples, eu sou brasileira, em meu próprio território, em zona conhecida, se não eu, quem irá segurar as pontas? Ninguém. O jeito é se recompor e seguir firme, contornando as situações com serenidade. É o que eu tentei fazer todo esse tempo. Acho que deu certo, apesar do pesares.

Termino esse texto com uma frase que li no Facebook dia desses: “Não é o mais forte que sobrevive, nem é o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças“. Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

3 respostas em “Estrangeiros Lidando com a Frustração no Brasil

  1. Ótimo!!! Confesso que ri quando li parte do “exorcizá-lo” kkkk é bem por aí!! Quando uma vez eu li que “a mulher é o pilar da casa” eu não queria acreditar, mas hoje tudo faz sentido pra mim.
    Beijos!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s