Telefone Maldito – o Inimigo Número Um do Estrangeiro com Português Ruim

Vocês devem lembrar que eu comentei que, no começo da procura por emprego para meu marido estrangeiro aqui no Brasil, quem tinha que atender às ligações para ele era eu, pois eu tinha que explicar que ele tinha dificuldade de compreensão ao telefone. Isso era mentira, pois a verdade é que ele nem sabia falar português direito naquela época, ele apenas elaborava frases soltas que, juntas, não faziam muito sentido. Então inventei essa história de dificuldade ao telefone para não pegar tão mal e para que o marido não fosse sumariamente eliminado dos processos seletivos. É, fui muito desavergonhada.

Era óbvio que daquele jeito não daria para continuar, porque definitivamente não era comigo que o recrutador queria papo. Lógico que eu era bem séria ao telefone, quase como se fosse comigo, mas não dá, né? Era só para quebrar um galho temporariamente. Além do mais, eu me sentia super mal e incomodada com aquela situação, afinal, se o marido não conseguia nem falar ao telefone, como é que seria capaz de trabalhar?

Depois de algum tempo, quando ele já estava avançando um pouco mais em seus estudos, conversei com ele e expliquei que não dava mais, dali em diante ele teria que começar a enfrentar as ligações, porque ninguém quer papo com esposa de candidato gringo, em especial esposa que fica contando histórias da carochinha para despistar.

Depois dessa conversa, a primeira ligação que ele atendeu foi um fiasco, é claro. No primeiro segundo de desespero, ele logo jogou o telefone para mim, nem ao menos falou para a pessoa do outro lado da linha um “espere um minuto”. Ele simplesmente deixou a mulher falando sozinha e me deu o telefone, mas eu insisti para que ele tentasse, e ele simplesmente não quis tentar e passou o telefone para mim novamente. Nesse meio tempo a mulher lá, falando sabe deus o quê. Aí, com muito ódio no coração, peguei o telefone e falei com a mulher, mas a merda já estava feita, àquela altura ela já tinha percebido que ele não tinha ao menos a mínima capacidade de falar ao telefone.

Uma coisa tão simples para nós, não é mesmo? Mas não, é complicado mesmo, é a prova de fogo de seu nível de compreensão em qualquer idioma e costuma ser o último item que dominamos no aprendizado de outra língua. Podemos falar, escrever, ler, mas se ficarmos frente a frente com um falante nativo, seja ao telefone, seja pessoalmente, é que vamos conferir a real situação da coisa.

Nem lembro mais como foi que a ligação acabou, o que a mulher disse por fim, nada, só lembro de meu marido insistindo em me passar o telefone e a mulher falando sozinha. O que eu sei é que era para uma vaga bem interessante, de uma empresa multinacional iniciando suas atividades no Brasil e fazendo as primeiras contratações. Suspeito que foi a recrutadora da própria empresa quem ligou diretamente, sem intermediários, porque depois disso, uma sucessão de fatos curiosos se desencadeou e o marido acabou recebendo seis ligações de diferentes empresas de recursos humanos recrutando para a mesma vaga.

Depois dessa conversa fiasquenta ao telefone, o marido começou a ficar preocupado, porque seu português estava mesmo melhorando, mas ele tinha uma imensa dificuldade de compreensão ao telefone. O que fazer? Começamos a pensar em soluções, pois não poderíamos mais desperdiçar oportunidades, as quais já eram naturalmente escassas para ele naquela ocasião. Então pensei na coisa mais óbvia, eu teria que escutar toda a conversa para, em caso de necessidade, acudi-lo. Pois é, olha a que ponto se chega para salvar um marido gringo do fracasso total ao telefone!

Inicialmente, as empresas costumavam ligar em nosso telefone fixo que, embora sem fio, não possuía o recurso viva voz, então eu ficava escutando a conversa dele bem quietinha, com meu ouvido colado ao aparelho e, caso fosse necessário, eu falava ao seu ouvido o que ele deveria responder. Algumas vezes foi complicado administrar a situação para não deixar a pessoa do outro lado perceber que tinha alguém ajudando, mas em geral deu certo. Também logo percebemos que o pessoal do RH segue um script ao telefone bem manjado, pouco se diferenciando uma ligação da outra, e justamente por causa deste script previsível ele foi ganhando confiança e experiência também.

Cheguei a conversar algumas vezes em português com meu marido ao telefone na fase em que ele ainda estava tentando superar a sua limitação. Foi engraçado, tipo último recurso dos desesperados, mas não deu muito certo, pois ele conhece bem minha voz, minha entonação, então não adiantaria muita coisa, ele teria que aprender na prática mesmo falando com estranhos.

A maioria das ligações foi feita para o celular, o que permitia o uso do viva voz, então quase sempre deu tudo certo. Enquanto ele conversava, eu ía anotando todas as informações, como endereço, telefone, nome do entrevistador, hora da entrevista, tudo certinho e o acudia caso fosse necessário, isso sem que a pessoa do outro lado ao menos desconfiasse. Com o tempo, descobrimos uma tática interessante, eu mesma atendia o celular, aí eles pediam para falar com o marido, eu dizia que ele não estava, mas que ele retornaria a ligação em quinze minutos. Então já emendava perguntando o nome da pessoa que estava ligando, o nome da empresa, da vaga, o que, em geral, eles costumam falar, às vezes até mesmo sem perguntar. Nesses quinze minutos em que ele teoricamente estava fora, podíamos relembrar os detalhes mais importantes, do tipo quando aplicamos para a vaga, a sua descrição e o que mais fosse necessário. Fazíamos isso porque a maioria das vagas eram aplicadas por mim e eu obviamente não fazia um relatório descritivo delas para meu marido, apenas anotava em meu caderninho de vagas o nome da empresa ou consultoria de RH, nome da vaga e o dia em que enviei o currículo. E como eu tenho boa memória, costumo lembrar facilmente do que se trata. Então o marido só precisava abrir a página da internet onde a vaga foi aplicada, ler a descrição, às vezes ler um pouquinho sobre a empresa para saber o que eles fabricavam. Somente depois de fazer isso, ele finalmente retornava a ligação, com calma e segurança. Essa tática dá muito certo e a conversa rende e se desenrola muito bem, ele conseguiu agendar várias entrevistas assim.

Um ponto negativo de ele falar ao telefone usando o recurso do viva voz comigo ao lado dando um auxílio que observei, foi que quando a pessoa do outro lado fazia uma pergunta mais crítica, ele ficava fazendo sinal para mim para que eu falasse o que ele deveria responder. Entendo e acho natural que ele quisesse uma luz, mas eu não gostava disso, pois eu poderia acabar atrapalhando o ritmo da conversa. Aconteceu isso certa vez. Ele perdeu uma oportunidade de entrevista porque hesitou ao telefone (e era uma ligação no fixo, não no celular). Ele se embananou na resposta enquanto eu e ele conversávamos por sinais e enquanto isso a mulher desligou o telefone na cara dele. Ela não ouviu nossa conversa, nem viu nossa mímica, mas a falta de um diálogo firme e objetivo por parte dele fez com que ela simplesmente desligasse o telefone. Acho que a culpa foi minha, ele acha que a culpa foi dele, mas a culpa foi mesmo nossa. Ele não precisava mais daquilo, ele já tinha chegado a um ponto em que estava completamente apto a manter uma conversação sozinho ao telefone, já entendia tudo, respondia corretamente, tudo certinho, mas tenho a impressão de que ele ficou com um leve trauma daqueles tempos em que ele não entendia nada ao telefone e era mesmo preciso que eu o auxiliasse durante as ligações. Hoje em dia, ele prefere que eu o deixe sozinho para falar ao telefone quando recebe ligação para entrevistas. Como as coisas mudam, não?

Felizmente, apenas em três ligações as analistas desligaram o telefone na cara dele, o que achei uma tremenda falta de profissionalismo e de educação também. Mas ainda bem que há muita gente querida e solícita, que ajuda, fala devagar se preciso, repete quando necessário e até mesmo falam em inglês se souberem, tudo para que ele entenda perfeitamente, sem perder uma vírgula da conversa. Os brasileiros são gentis, sim, com os estrangeiros durante os processos seletivos, também são curiosos e jamais os tratam com desrespeito.

Depois de algumas experiências ruins ao telefone, eu resolvi eliminar, por fim, o nosso número fixo do currículo dele e deixei apenas o número do celular para facilitar as coisas.

Por que estou falando tudo isso sobre telefone e as situações que o envolvem? Depois do envio do currículo, falar ao telefone é etapa inicial e fundamental na maioria dos processos seletivos. A pessoa do outro lado vai descobrir imediatamente que é um estrangeiro ao telefone e é nesse momento em que ela decidirá se deve levar a conversa adiante ou não, chamar ou não para uma entrevista, mesmo sendo estrangeiro. Por se tratar de um momento decisivo, tudo depende de seu desempenho, confiança e firmeza ao responder as perguntas. Uma conversa que flui adequadamente vai resultar em uma entrevista, mas ao primeiro deslize, pode-se colocar tudo a perder e estrangeiro procurando emprego no Brasil não pode se dar ao luxo de cometer erros, seu aproveitamento tem que ser alto e por este motivo nem os detalhes devem passar despercebidos, tudo para aumentar suas chances no mercado.

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s