Esposa ou Babá de Estrangeiro no Brasil?

Certa vez, ao ler uma publicação de um dos blogs que sigo, parei para refletir sobre o assunto título deste post “Esposa ou Babá de Estrangeiro no Brasil?” e uma pergunta ficou martelando em minha cabeça: será que sou babá do meu marido? Bom, só pelo fato de eu não negar veementemente de primeira já é um forte indício de que sou de certa maneira. Claro que não me resumo a isso, sou uma mistura de várias coisas, mas com certeza absoluta a faceta babá está inclusa em algumas situações.

Como? Por quê? Isso é bom? Ruim? Ainda estou em busca das respostas, mas, a princípio, acho que há, como tudo na vida, aspectos bons e ruins. O aspecto ruim mais imediato é que ele acaba ficando dependente de mim em algumas situações. Mas como isso aconteceu? Ao mesmo tempo em que escrevo este texto, as perguntas ficam pipocando em minha mente, o que significa que, pelo menos para mim, não é um assunto tão fácil assim de compreender ou lidar.

Primeiro ponto é que simplesmente não consigo delegar certas tarefas. Admiro muito as pessoas que não esquentam a cabeça e delegam facilmente, diminuindo a pressão sob si mesmas, mas eu não consigo ser assim. Na procura por emprego, por exemplo, eu executo a tarefa praticamente sozinha. Há coisas que demandam agilidade, o que, infelizmente, meu marido não tinha no início quando ainda não tinha português fluente. Pode ser que, se ele mesmo procurasse emprego, acabasse desenvolvendo os pontos que ainda estavam deficientes, mas ficaríamos naquele impasse, mandar o máximo de currículos possíveis no menor tempo e aumentar as chances ou ir a passos de tartaruga? Perde-se aqui, ganha-se ali. Acabamos perdendo na questão de aprendizado dele, mas ganhando em agilidade, é quase como ficar entre a cruz e a espada. Há alguns outros exemplos, pois certas situações acabam se ligando a outras em um efeito dominó e, quando você se dá conta, está manejando várias coisas ao mesmo tempo e sozinha. Enfim, são pequenas coisas que me levam a crer que sou meio babá do marido estrangeiro.

Acho, sinceramente, que qualquer um que tenha um estrangeiro em sua vida, uma hora ou outra acaba agindo um pouco feito babá, principalmente se ele estiver em fase de adaptação, são poucas as exceções. Meu marido também foi um pouco babá para mim quando morei lá, acho até que ele exagerou um pouco na dose e no excesso de cuidados.

Então, após refletir um pouco sobre o assunto, chego à conclusão que uma pessoa em fase de adaptação, ainda se ajustando ao país, à cultura, acaba virando um pouco um bebezão, que na maioria das vezes precisa de alguém tomando as rédeas das coisas, guiando, afinal, ninguém melhor que nós para executar o papel, pois compreendemos perfeitamente a sistemática da nossa realidade brasileira. Claro que essa assistência deve ir diminuindo com o tempo, não dá para ser babá para sempre e nem deixar o companheiro cada vez mais dependente, ele deve ir conquistando seu espaço e independência, mesmo que seja aos poucos.

Talvez eu esteja errada ao pensar e agir assim, mas até o presente momento o resultado é mais positivo que negativo. Enquanto estivermos confortáveis e a coisa estiver funcionando, acho que não há muito com que se preocupar, até porque meu marido não me vê como uma babá e nem eu o vejo como meu bebê.

Uma coisa é fato, é difícil dosar as atitudes e ter plena consciência dos limites, de saber quando se está exagerando ou não. Há que se pesar os prós e contras, se certas atitudes estiverem prejudicando uma das partes ou até mesmo o relacionamento, é hora de parar e avaliar o que está dando errado, onde melhorar e corrigir os possíveis erros. Acho que isso é básico para qualquer relacionamento, não somente casais gringo-brasileiros, é basicamente erro e tentativa, temos sempre que nos ajustar, remodelar e até mesmo nos impôr em várias situações.

De qualquer forma, percebi uma maior independência do marido a partir do momento em que ele começou a trabalhar, meu babysitting  se limita, agora, a questões burocráticas. Sou eu quem declara o imposto de renda dele, resolve burocracias por telefone, lida com documentos, etc.

Resumindo história, considero-me uma esposa com momentos de babá, mas apenas naquilo que considero realmente necessário, quanto mais espaço ele conquista, menos preciso auxiliá-lo. Não é fácil ter marido estrangeiro no Brasil!

Se este post foi útil e esclarecedor, deixe seu comentário, curta e compartilhe! Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s